Feeds:
Posts
Comentários

Dois Sentimentos

Por Eguinaldo Hélio de Souza

jesus-quarta-cinza

“Mas de ambos os lados estou em aperto, tendo desejo de partir e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor. Mas julgo mais necessário, por amor de vós, ficar na carne”. (Filipenses 1.23, 24)

Diante da volta do Senhor dois sentimentos se conflitam em nosso interior.

Por um lado desejamos partir e estar com Cristo. Sua voz nos chama para o alto, para a eternidade. Não somos deste mundo e o anseio de nossa alma é estar em nossa morada, caminhar em nossa cidade, viver em nossa pátria celestial. “Porque a nossa cidade está nos céus” (Filipenses 3.20). Ele foi preparar nosso lugar.

Estar agora com o Senhor seria o nosso lucro. Por mais abençoada que seja nossa vida aqui, estar com Ele seria muito, muito melhor. Disso temos certeza. Quanto mais crescemos em Cristo, mais sabemos que nosso descanso não será aqui. As trevas cobrem a terra e a escuridão os povos. Sabemos que nenhuma plenitude aqui é possível.

Todavia, isto não é tudo. Outro sentimento se apossa do coração do verdadeiro crente. Um sentimento o divide. O sentimento de que está neste mundo para realizar uma missão com Deus, de que há uma tarefa não terminada e que precisa ser concluída antes que Ele volte ou que nosso fôlego cesse. Estamos aqui de passagem, mas não por acaso. Estamos na causa Dele.

Se a paixão por Cristo nos move em nosso ministério, então não há apenas uma força que nos puxa para cima. Há também uma que nos puxa para a terra, para a obra, para a seara do Mestre. Então não queremos parar, não queremos descansar. Queremos semear e ver a terra frutificar. Mesmo chorando queremos caminhar nesta terra para a glória de Deus.

São almas que precisam de salvação, crentes que precisam de edificação, vidas necessitando de amor e o Espírito de Cristo em nós anseia por suprir essas necessidades. Queremos servir, queremos produzir, queremos frutificar. Minha obra ainda não terminou. Eu quero ficar aqui.

Quero ir e quero ficar. Quero o céu e quero a terra. Quero ver a face do meu Deus, mas também quero ser Sua face neste mundo.

Nem toda divisão interior é boa. Mas esta mostra que seja no céu seja na terra o anseio da minha vida é glorificar o nome Dele.

Natal, Deus em Missão

Por Eguinaldo Hélio de Souza

a-igreja-existe-para-ser-missionaria

Deus teve um único Filho e fez dele um missionário. David Livingstone (1813 – 1873)

Muitos foram e são aqueles que deixando sua terra natal e seus parentes, partem para terras distantes para falar do amor de Deus. Eles renunciam qualquer outro futuro possível para si mesmos, para oferecer a outros um futuro eterno que é dado em Cristo. Muitos trocam uma vida de confortos e comodidades por uma vida de privação e simplicidade. Fazem isso em meio à críticas e incompreensão daqueles que os rodeiam. O chamado Daquele que os envia é muito mais forte.

No entanto, nenhum desses que partiram em missão fizeram, fazem ou farão renúncia maior do que Aquele que lhes inspirou. Jesus não os inspirou a tal entrega somente com suas poderosas palavras. Ele os inspirou com sua própria vida, esvaziada da plenitude divina e tornada igual à nossa.

“Mas conheceis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, que sendo rico se fez pobre, para que por sua pobreza, enriquecêsseis” (2 Coríntios 8.9).

Não há dúvidas de que deixar um confortável apartamento com seu ar condicionado na cidade, para morar em uma pequena aldeia no interior da África ou da Índia, prova o grande amor que move alguém. Deixar os conhecidos que tanto amamos para nos dedicar a estranhos que decidimos amar é de uma nobreza rara neste mundo egoísta. E com tudo isto, Ele ainda fez muito mais.

Ele deixou sua glória, uma posição e um lugar que nossas palavras são insuficientes para descrever e nossa imaginação incapaz de alcançar, para torna-se um carpinteiro humilde da vila de uma pequena província romana. Ele realizou “o exemplo mais espetacular de identificação cultural da história da humanidade”. Não para falar da vida eterna, mas para ser Ele mesmo a vida eterna que tantos anseiam. Das maiores alturas aos lugares mais baixos da terra, Ele experimentou em si mesmo todas as dores, aflições e angústias que de fato não precisava experimentar.

Ele era diferente de nós como ninguém mais. Tornou-se em tudo semelhante a nós porque nos amou como ninguém mais. O natal é o símbolo desta missão. Deus Pai enviou a nós seu Filho que por nós se entregou.

Essa missão foi a redenção do universo e esse “missionário” o Redentor do mundo.

Terminando Bem

Por Eguinaldo Hélio de Souza

images

“Porque Demas me desamparou, amando o presente século, e foi para Tessalônica” … (2 Timóteo 4.10)

Não basta um encontro abençoado com Deus em algum momento de nossas vidas. Não basta nem mesmo anos ou décadas servindo ao Senhor. Nem ainda um ministério muito frutífero por um bom período de nossas vidas é o suficiente. Precisamos chegar bem até o fim. Precisamos terminar com êxito nossas carreiras. Não podemos permitir que o tempo destrua nossa relação com Deus ou que as circunstâncias ao longo dos anos queime nossas raízes e mate nossos frutos. A missão de Deus em nossa vida não tem prazo de validade. Nosso contrato com o Reino é permanente. A vida de Cristo em nós é eterna e eterna deve ser nossa frutificação.

Não nos alegra ver nas Escrituras pessoas que começaram sua caminhada de modo tão maravilhoso e terminaram de forma tão angustiante. Quem não fica perplexo diante da atitude de Salomão em seus dias finais? Nós nos recusamos a acreditar que tanta sabedoria não lhe acompanhou até o túmulo. E Judas? Como pode cometer tal vileza depois de tantos anos com o Mestre? Com certeza não foi culpa do Semeador e muito menos da semente. O solo era realmente ruim.

Quem nos alegra são os que perseveram até o fim. Combateram seu bom combate, acabaram suas carreiras e guardaram sua fé. Morreram amando a Deus com o mesmo amor que O haviam amado desde o início. Serviram a Ele com a mesma força, o mesmo zelo, o mesmo ânimo, até o fim. O tempo não apagou de seus corações o fogo que fora aceso pelo próprio Deus. Suas vidas terrenas terminaram, mas a chama delas continuou a arder após suas mortes. Eles terminaram bem. E nós podemos.

O espírito não é como a matéria. Esta com certeza se corromperá com a idade, enquanto nosso interior pode se tornar mais forte a cada ano. “Por isso, não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia” (1 Coríntios 4.16).

Aquele que começou em você a boa obra é poderoso para aperfeiçoá-la até o dia de Jesus Cristo. A graça que alcançou você é a mesma que o levará frutífero até o fim.

Eu Quero Uma Desculpa

Por Eguinaldo Hélio de Souza

2528734771_7557e3ec4f_b

Eu quero uma desculpa para não obedecer a Deus. Uma desculpa para não orar, para não ir à igreja, para não ler a Bíblia. Quero uma desculpa para justificar o que fiz e não deveria ter feito ou para justificar o que eu deveria ter feito e não fiz. Preciso calar minha consciência, sossegar a Voz do Espírito que me chama aos caminhos da justiça.

Parece que é mais fácil desculpar-se que obedecer. Os que estão longe de Deus sempre têm uma resposta na ponta da língua. É a falta de tempo, está deixando pra depois ou foi decepcionado por algum cristão ou líder. Ele sabe o que tem que fazer, mas oferece inúmeros motivos para não fazê-lo, embora saiba no fundo do seu coração que nada disso ira justificá-lo naquele Grande Dia.

Tolamente acreditamos que nossas desculpas nos salvarão ou que nos isentarão de nossas responsabilidades e deveres. Nossos atrasos, nossas negligências, nossas tarefas não cumpridas jamais poderão ser apagadas somente porque fomos capazes de apresentar algum motivo para essas nossas faltas.

Também, como a Adão e como Eva, nós acreditamos que culpar aos outros nos tornará menos culpados. Nossos dedos apontados de nada servem para nos esconder Daquele que sonda nossa mente e coração. Nossas palavras não têm o mínimo poder para anular as Dele e ainda assim achamos que só porque temos desculpas prontas temos justificação.

É bonito olhar Davi, homem com as mesmas paixões que nós, confessando suas culpas e se humilhando por elas.

“Porque eu conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim. Contra ti, contra ti somente pequei, e fiz o que a teus olhos é mal, para que sejas justificado quando falares e puro quando julgares” (Salmo 51.3, 4)

Podemos cercar todas as nossas falhas e negligências com desculpas, mas estas jamais nos levarão pelo caminho da vida e pelas veredas da justiça, nem nos darão acesso ao trono do Pai. “Pequei contra os céus e perante ti” (Lucas 15.21) são as palavras que nos conduzirão aos seus braços e à sua morada.

Que as desculpas cessem e seu espaço seja tomado por atitudes que nos colocarão no centro da vontade de Deus.

Experimentando o Amanhã

Por Eguinaldo Hélio de Souza

2faeb-say_hello_2_heaven

“e provaram os benefícios da Palavra de Deus e os poderes da era que há de vir” (Hebreus 6.5 VKJ)

Haverá um tempo no qual o mal não reinará, onde as maldições terão fim e onde toda a oposição a Deus será definitivamente destruída. Um tempo sem doenças e sem morte, um tempo onde Ele será tudo em todos. Nossa mente é incapaz de apreender tal tempo e nossas palavras incapazes de expressá-lo. Primeiro porque a nossa própria mente é fruto desta era decaída. E segundo porque esta era decaída não tem parâmetro para descrever coisa alguma da era vindoura. Toda a descrição que temos do futuro é apenas pálida sombra do que realmente será. Mesmo os profetas inspirados não dispunham de termos e expressões suficientes para nos descrever o porvir. Só o amanhã descreverá plenamente para nós o que é o amanhã.

Quando Jesus ressuscitou dentre os mortos ele trouxe a este mundo decaído a essência da era vindoura. Nele, já “o corruptível se revestiu de incorruptibilidade e o mortal se revestiu de imortalidade” (1 Coríntios 15.54). Nele, a morte já foi tragada na vitória e futuro teve início. Tudo o que um dia Deus fará a nós e a este mundo, Ele já realizou no Cristo ressurreto. Em Jesus a morte morreu e a vida vindoura teve seu início. Hoje experimentamos tal verdade parcialmente. No futuro, a realidade dessa tal verdade será a única conhecida. A realidade decaída que conhecemos será passado esquecido e a realidade parcialmente experimentada será realidade plena experimentada. “Não haverá lembrança das coisas passadas” (Isaías 65.17). Como desconhecemos o futuro, então desconheceremos o passado.

Todavia, vivemos hoje “em Cristo” e isto, faz toda a diferença. Deus “nos ressuscitou juntamente com Ele [Cristo] e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus” (Efésios 1.6) e por isso um pouco daquilo que um dia será, já está presente em nós hoje. É apenas uma pequena porção, algumas gotas diante do mar que nos espera. Nossos pés estão molhados do caudaloso rio da vida que nos aguarda na eternidade.

Sim, entre tantas outras coisas, ser cristão é experimentar os poderes da era que há de vir. Em meio às aflições do tempo presente sentimentos em nossa alma o gostinho da eternidade.

Por Eguinaldo Hélio de Souza

c6934396b8785ed152758e6a6e6106d3

“Ouve tu, filho meu, e sê sábio e dirige no caminho o teu coração” (Provérbios 23.19)

Antes que seus pés andem por um caminho, seu coração já terá andado por ele. Você viverá externamente o que já viveu em seu mundo interior.

Ações de amor às pessoas são precedidas por sentimentos de amor por elas. Vidas isoladas fisicamente são vividas por pessoas cujo coração interiormente se afasta de todos. Antes de você se unir a uma pessoa, seu coração já se uniu a ela. Da mesma forma, o abandono físico é sempre precedido pelo abandono interior.

Por esse motivo, olhar para o movimento do nosso coração é essencial. “Aplicai o vosso coração ao vosso caminho, diz o Senhor” (Ageu 1.5). É dele que precedem as saídas da vida. Nossos pensamentos precedem nossas ações. Pensar da forma certa é escrever antecipadamente nossa história. “Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai” (Filipenses 4.8)

É impossível que o nosso coração esteja cheio de frieza, rancor, desânimo, indiferença e as nossas atitudes sejam animadas, amorosas e intensas. Nosso coração tem que estar nos planos de Deus, nos caminhos de Deus. Então nossa vida estará em suas mãos e em seus caminhos.

Nossos pensamentos, sentimentos e desejos voam adiante de nós. Eles conduzirão nossas ações. Nossa história será sempre fruto das sementes dentro de nós. Vencemos por dentro, então vencemos por fora. Amamos primeiro por dentro e depois por fora.

Não deixe que seu coração erre o caminho. Freie os seus sentimentos ruins antes que eles se tornem ações ruins. Não permita que seus olhos andem por lugares não permitidos aos seus pés. Não cobice o que não pode possuir. Não pense em coisas que não é lícito fazer. Se arrependa da maldade de seu coração e não precisará se arrepender de suas más ações.

Se nosso coração não estiver no caminho, nossos pés também não estarão. Se nosso coração erra o caminhor, nossos passos também errarão.

Por Eguinaldo Hélio de Souza

322237_341059919246755_242711049081643_1339726_1473331356_o

Os sábios, pois, resplandecerão como o resplendor do firmamento; e os que a muitos ensinam a justiça refulgirão como as estrelas, sempre e eternamente. (Daniel 12.3)

O Deus eterno nos chamou para viver a eternidade com Ele. Aqui e agora, rodeados por tantas coisas passageiras, onde tudo o que nasce está fadado a morrer, onde tudo que começa já tem seu fim determinado, somos incapazes de compreender a grandiosidade desse chamado. Falar em eternidade para seres que vivem rodeados por relógios e calendários é como falar do oceano para o peixe do aquário. Está muito além de qualquer comparação.

Ainda assim somos convidados a olhar para o alto e para a frente. “Nossa cidadania está nos céus” (Filipenses 3.20). “Já estamos mortos e a nossa vida está escondida com Cristo em Deus” (Colossenses 3.3). “Não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a futura” (Hebreus 13.14). “Pela sua promessa aguardamos novos céus e nova terra nos quais habita a justiça” (2 Pedro 3.13). Nossa condição de peregrinos e forasteiros nos convida a olhar além do tempo presente.

Infelizmente, é fácil encantar-se com os encantos desta terra, ainda que sejam irreais e passageiros. Às vezes somos tão abençoados aqui, que corremos o risco de perder a perspectiva da eternidade. Geralmente é a igreja sofredora que anseia pelo porvir. A igreja segura e próspera se acomoda cada vez com mais firmeza nas coisas que não são firmes.

“O que quero dizer é que o tempo é curto. De agora em diante, aqueles que têm esposa, vivam como se não tivessem; aqueles que choram, como se não chorassem; os que estão felizes, como se não estivessem; os que compram algo, como se nada possuíssem; os que usam as coisas do mundo, como se não as usassem; porque a forma presente deste mundo está passando” (1 Coríntios 7.29-31).

Temos que aprender a caminhar nesta terra com os olhos nos céus, viver neste mundo sem deixar que ele viva em nós. Apesar de nos envolvermos com os negócios desta vida, precisa existir entre nós e este século, um véu feito da luz da eternidade que impeça nossa alma de fundir-se com este reino provisório. A eternidade é nosso alvo. Se perdermos nosso alvo, perderemos nosso caminho.

%d blogueiros gostam disto: